Como ensinar os filhos a economizar?

Recheio de mãe

Diversão e gostosuras para o crescimento do seu pequeno.

Dicas:

Como ensinar os filhos a economizar?

Deixar que comprem sozinhos e dar mesada na hora certa fazem a diferença!

por Ana Maria | 3 anos atrás
istock-453159677

Como ensinar a criançada a poupar dinheiro? Isso é importante? Sim, é. Educar as crianças financeiramente desde cedo faz delas adultos mais conscientes e felizes na relação com as finanças! E, claro, o cofrinho tem razão de ser – por ser lúdico e representar a questão do “guardar” pra depois gastar. Mas ele (assim como conhecemos desde a nossa infância) só serve para o primeiro contato da criança com o dinheiro. Depois disso, é preciso outras estratégias para aumentar a habilidade em lidar com o dinheiro. Veja quais são as mais adequadas para crianças de 6 a 12 anos. De mãe para mãe? Tudo vai ficar muito mais fácil!!!

– Dê mesada, mas na hora certa: é o segundo passo recomendado pelos especialistas. Se você nunca deu um cofre para seu filho, vale fazer a experiência primeiro. Caso já tenha dado, e ele tenha demonstrado que aprendeu a esperar pra abrir e gastar, é hora da mesada. Costuma funcionar bem depois dos 7 ou 8 anos. E pode ser oferecida primeiramente por semana, para depois ser mensal!

– Acerte na quantia oferecida: o ideal é dar metade do valor que gastamos com o filho no mês. Também é bacana acompanhar os gastos da mesada e não dar dinheiro além do que já foi entregue na data da mesada.! Vale ensinar a criança a pesquisar preços antes de comprar, inclusive!

– Dê mais de um cofre. Um pequeno, um médio e um maior. E oriente a criança sobre o valor que ficará guardado. É bacana estabelecer objetivos diferentes para cada um deles: para o menor, algo mais acessível e que possa ser realizado em curto prazo – para o médio, algo ema médio prazo (em torno de 3 três a seis meses), e, para o maior, algo que exija boas economias!

– Deixe a criança comprar “sozinha”: você pode estar por perto, mas permita que a criança faça a compra por conta própria, com o seu dinheiro. Pois é, que mãe nunca tomou as rédeas no caixa? Mas, paremos agora. Mesmo que seja algo que você não compraria: se o filho demonstrou vontade de adquirir e está com o dinheiro, deixe a que compre.